quarta-feira, 22 de julho de 2009

Michael Jackson - sob meu olhar - clínico!


Depois da perda, como fã deste grande artista, me dei conta de que há muito tempo eu não prestava mais atenção nele. Então fui buscar na internet sobre o Michael, revi seus vídeos e ouvi suas músicas.

Acabei assistindo a alguns documentários feitos por um Britânico e outro por um Americano. Muito interessantes. Pude perceber como a mídia o massacrou e à muitos de nós, que como eu, caímos nessa.

Vocês já prestaram atenção nas letras dele? (A internet tem todas elas). Em uma de suas entrevistas ele fala que buscava sua inspiração nas crianças. Na hora não achei que aquilo fizesse muito sentido, então prestei atenção. Talvez se tivesse feito isso antes, não teria caído no “conto da mídia”. Pois, como alguém trazendo mensagens de paz e amor, fim de lutas, poderia fazer mal a uma criança? Ele realmente era uma pessoa amorosa, foi possível constatar isso por meio do relato da pequena Paris: “o melhor pai do mundo”!

Perfil de psicopata ou psicótico ele não tinha, portanto, o caminho a se pensar é outro.
Enfim, as letras são muito sensíveis, de uma inteligência estupenda! Sua história nos conta que foi tratado como um adulto aos 5 anos de idade e que depois de adulto se tornou uma criança. Acredito, depois de tudo que vi, que isso é verdade!

Durante seus shows se vestia como adulto, cheio de agressividade, provavelmente para chamar atenção das pessoas em relação ao mundo. Por que suas músicas realmente mexem. Prestamos atenção por que ele as cantava como se fossem estórias, que nos remetem a uma realidade cruel. Passa a idéia de que está em nossas mãos fazer a mudança. Alguns de seus vídeos são cheios de fantasmas e monstros, fato que poderia estar relacionado com suas fantasias e medos infantis.

Em sua história, tirando as surras do pai pela cobrança de uma perfeição enquanto criança, também houve a exigência do pai em relação aos outros irmãos, dizendo durante os ensaios "façam como o Michael" , se não fizessem apanhavam. Imaginem a culpa que devia sentir, o peso, a responsabilidade e o desejo de se libertar! Essa libertação veio sem avisar, de repente. Em um dos shows com os irmãos, ao final, ele anuncia ao público o fim dos Jackson 5, para surpresa dos irmãos e a raiva do pai, de forma que ele, Michael, teve que ter a proteção de seu segurança. Então aconteceu a Terra do Nunca!

Muitas vezes, quando estava em hotéis, com seus irmãos, era lhe pedido por estes que ficasse em silêncio, que ele ouviria barulho no quarto, mas que não abrisse os olhos. Os irmãos recebiam mulheres no quarto durante suas turnês.

Fico pensando uma criança de 5 anos - 10 anos tentando dormir enquanto seus irmãos, já bem maiores, tinham relações sexuais. Será que ele realmente dormia? Não creio!
Uma criança nessa fase, aos 5 anos, estava descobrindo sua sexualidade, supostamente após a fase fálica, que vai dos 3 aos 6 anos (sexualidade em descoberta), a criança entraria na latência, onde tudo se adormece no emocional de uma criança (7 - 10 anos). Mas não para Michael, ele teve que conviver com isso. Sua sexualidade não foi adormecida. As questões internas não se desligaram. Provavelmente ele colocou toda sua energia na criação artística, já que não podia ter um relacionamento. Vocês já viram o vídeo clip dele em frente a um hotel? Uau! Não tem música, é apenas ele dançando e gritando. Ao final do vídeo se transforma em uma pantera negra! Maravilhoso! Talvez hoje de pra enteder a razão daquele video clipe tão falado e censurado. Provavelmente nem ele teve consciência da razão do video clipe, mas hoje sabemos o que um hotel significava para ele.

Dai nasceu o grande artista, incansável! A isso chamamos sublimação. Ele tinha todos os motivos do mundo, por causa de sua história de ser um pervertido, mal, destruidor, mas não, ele colocou tudo em sua arte e mostrou suas dificuldades pela vida. Sem agredir aos outros. Mas claro foi mal interpretado algumas vezes. Não culpo o pai que o acusou, imaginem, um homem dormindo com uma criança. Mas ele não escondia isso, tamanha sua inocência.


Michael não se aceitava, se achava feio, o pai lhe dizia isso. Ele também relata nunca ter esquecido um episódio em sua vida quando, na rua com seus irmãos, uma senhora os reconheceu e perguntou onde estava o pequeno Michael, bem na época ele já não era mais pequeno, deveria estar entrando na fase da adolescência, e quando a pessoa o viu, o olhou com desprezo, sabe quando olhamos algo que temos nojo, pois é, ele se sentiu muito mal querendo sumir daquele lugar. Não esqueceu disso, ouvi ele contar este fato aos 44 anos. Isso o levava a pensar que ele era alguém muito feio. Dai a razão das máscaras! Assisti um episódio, ao qual estava num hotel e entrou num elevador, primeiro se deparou com um espelho enorme e provavelmente alguns hospedes ali dentro, imediatamente ele cobre sua face , pede desculpas e se justifica dizendo a eles, "vocês terão que olhar para face mais horrível do mundo".

Outra coisa a ser considerada seria o medo do sexo, ainda neste documentário ele fala das namoradas da adolescência, diz que em determinada época uma das namoradas o chamou para ir a casa dela, ele foi, mas na hora H, não conseguiu, cobriu o rosto, provavelmente copiando um comportamento infantil e ele mesmo disse: "tive medo"! Afirma na entrevista que espera que ela o tenha perdoado. E aqueles casamentos que ele teve? A maneira como os filhos vieram? Debby diz que o primeiro filho foi de uma relação e Michael diz que o último foi de um relacionamento com uma mulher que não queria se identificar.

Percebi dois Michaels, o preto e o branco, o feio e o bonito, o bicho e o homem, o herói, o rei e o plebeu, o bom e o mau. Para mim, ficou claro que o preto era o personagem dos palcos, o grande artista, amado, idolatrado e o branco era o Rei, em seu palácio, (Neverland), cheio de conflitos, frágil, com problemas emocionais. Ingênuo e impulsivo. A ingenuidade se mostra quando ele, a frente das câmeras, segura a mão do menino de quem recebeu a acusação e diz que todos devem fazer isso e impulsivo quando empolgado no hotel, aos gritos dos fãs, resolve mostrar o filho menor da sacada do hotel. Me choquei quando vi aquilo, mas dentro do quarto do hotel estava o entrevistador que fazia o documentário e mostra o que se passava lá dentro, houve o pedido da babá para que ele não fizesse aquilo, mas o impulso que ele teve foi muito maior do que a razão. Coisa de criança! Ao mesmo tempo era comprador compulsivo, gostava de esbanjar, aqui mostrando um pouco de seu caráter fálico, que é formado após os 3 e 6 anos, precisava mostrar que tinha algum poder, e este, era o do dinheiro.

Em sua vida particular, doce, como as pessoas o descreviam, uma criança, querendo brincar o tempo todo, frágil em busca de transformações que nunca lhe davam prazer e não teve tempo de se reconhecer, uma pessoa maravilhosa, que estava bonito sim! Continuou se transformando tanto que se perdeu, ficou transfigurado. Talvez aqui, para se sentir filho desse pai, ele acaba atendendo o pedido do pai e se torna feio, sem forma, claro isso de maneira inconsciente. Somando a isso, o vitiligo, onde as pessoas o criticaram tanto por não aceitar sua cor, mas era a luta interna, ele via o feio em todo lugar, a maneira como ele se defendia e se escondia, usando esparadrapos e luvas para esconder as manchas, e seus costumes viraram moda!

Mas também me deparei com um Michael que levanta cedo, num dia chuvoso, de pijamas, colocaum casaco por cima, vai até uma livraria e entra com o guarda chuva aberto. Claro a foto saiu. O que será que ele queria com isso? Não me importo com minha feiura! Ou sou bonito de qualquer jeito!

O outro Michael adulto, era o dos palcos, extremamente sedutor, agressivo, explosivo, as vezes, um general forte e outras vezes triste e dramático, teatral. Ouvi Isaac Hayes dizer que ele parecia possuído nos palcos.

Mas também tinha seu lado amoroso com os fãs, parava pra eles, descia do carro para abraçá-los, dar autógrafos. Incrível, sorria para todos.

Bom essas são as considerações de uma fã, que por acaso é psicóloga e desejaria imensamente você, Michael Jackson, em meu divã!

Fico me perguntando, será que nunca fez análise? Será que nunca alguém lhe sugeriu isso? Ou será que simplesmente você ignorou a hipótese de buscar uma ajuda emocional?

Você foi um ser humano fantástico!Você disse que gostaria de viver pra sempre, fisicamente não, mas sua obra está aqui e com mensagens muito lindas! Obrigada!

Como ele dizia aos seus fãs: love you more (te amo mais). Agora eu posso dizer: love you more and more!


Para ver os documentários, acesse you tube e busque: living with Michael Jackson.
A foto dele de pijamas na livraria:http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI20487-9531,00.html
Tambem assisti ao filme: "Man in the mirror"
Reblog this post [with Zemanta]